• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

‘É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã’, cita juiz ao condenar empresa a indenizar estoquista chamado de ‘viado’ em MG


Empresa não apresentou uma proposta para desfazer ou remediar a discriminação sofrida por trabalhador, que ouviu de colega que ‘viado não vai para o céu’. Decisão também citou obras de Gabriel Garcia Marquez, Guimarães Rosa e até discurso de Martin Luther King. Estoquista receberá R$ 50 mil de indenização da empresa em que trabalhava em Muriaé
Letícia Paris/G1
“Viado não vai para o céu”. Foram essas as palavras que, segundo a Justiça do Trabalho, o estoquista de uma empresa de vendas a varejo de Muriaé, na Zona da Mata mineira, ouviu de um colega de trabalho durante o expediente.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Segundo o juiz Marcelo Paes de Menezes, o trabalhador foi vítima de discriminação no ambiente de trabalho por ser homossexual e, após o ocorrido, a empresa não apresentou uma proposta para desfazer ou remediar a discriminação e o impacto causado na vida do ex-funcionário.
Na sentença, o magistrado condenou a empresa a pagar R$ 50 mil de indenização por danos morais ao rapaz.
No processo, uma testemunha contou que o estoquista, ao reclamar da conduta do colega de trabalho, além de não receber acolhimento, foi advertido sobre a possibilidade de dispensas dele e do colega que o ofendeu.
“Foi discriminado e sofreu uma espécie de revitimização”, destacou o julgador.
Valores da igualdade e do amor ao próximo
Na decisão, o juiz citou renomados autores literários e personalidades com o objetivo de fazer um paralelo entre os valores da igualdade e do amor ao próximo e a discriminação sofrida pela vítima.
“[…] o sonho da igualdade dá ensejo à desesperança e desilusão”. Segundo o magistrado, a leitura de ‘Cem Anos de Solidão’, de Gabriel Garcia Marques, é importante para compreender a situação retratada o enredo e que “a vida imita a arte…”
Ao fazer referência à obra ‘Grandes Sertões: Veredas’ de Guimarães Rosa, o magistrado disse:
“Se não houvesse nenhuma lei no mundo para permitir o enfrentamento da discriminação, o juiz deveria buscar inspiração nas palavras que o grande Guimarães Rosa colocou na boca do jagunço Riobaldo. ‘A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem’”.
Citando o discurso de Martin Luther King e o sonho da igualdade, o juiz ressaltou que é triste constatar que o sonho da igualdade, em pleno século XXI, parece cada vez mais distante.
“A sociedade contemporânea grita por um mundo livre de discriminações. E se a discriminação toma como foco a liberdade sexual, redobrada censura merece a conduta daquele que discrimina”, destacou na sentença.
Em referência a trecho da música “Pais e Filhos, da banda Legião Urbana, o magistrado ressaltou: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”.
🔔 Receba no WhatsApp notícias da Zona da Mata e região
LEIA TAMBÉM:
Pesquisador denuncia espisódios de homofobia no ambiente de trabalho, na Embrapa, em Campina Grande
Garçom sofre homofobia por uso de batom líquido no trabalho e justiça determina indenização de R$ 12 mil
Profissionais LGBTQIA+ temem preconceito e buscam segurança no ambiente de trabalho, diz pesquisa
📲 Siga o g1 Zona da Mata: Instagram, Facebook e Twitter
📲 Receba no WhatsApp as notícias do g1 Zona da Mata
VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campos das Vertentes
Adicionar aos favoritos o Link permanente.