Maior enchente do Rio Cuiabá que ‘apagou’ três bairros e deixou 24 mil desabrigados completa 50 anos; relembre


Rio atingiu mais de 10 metros depois de fortes chuvas, que protagonizaram a maior enchente da capital. A tragédia se estendeu para outros sete municípios e ainda é lembrança para os moradores. Enchente Rio Cuiabá 1974
Reprodução
No dia 18 de março de 1974, o Rio Cuiabá atingiu 10,87 metros depois de fortes chuvas sobre a capital mato-grossense, que protagonizaram a maior enchente da cidade. Mesmo após 50 anos, a tragédia ainda é lembrança para os cuiabanos.
✅ Clique aqui para seguir o canal do g1MT no WhatsApp
Segundo a Defesa Civil estadual, à época, 24 mil pessoas ficaram desabrigadas após a água invadir casas e regiões. A força da água foi tão grande que inundou e fez desaparecer até alguns bairros ribeirinhos como Barcelos, Várzea Ana Poupino e o Bairro Terceiro.
O servidor público aposentado Paulo Roberto dos Santos era morador do Bairro Terceiro e conta como a diversidade do local foi perdida após a região ser interditada pela enchente, e cerca de 7 mil pessoas deixarem suas casas para ocuparem abrigos na cidade.
“O bairro tinha um clube, um Cordão da Mocidade, dois campos de futebol de que saíram vários jogadores profissionais de Mato Grosso, tínhamos duas escolas, duas igrejas, tínhamos até a Praia de Cuiabá, que era a Praia de Seu Antônio Ribeiro, cheia de peixes”, lembra.
Bairro Terceiro em 1974
Reprodução
O Bairro Novo Terceiro e Grande Terceiro foram construídos para receberem a comunidade desabrigada atingida pela enchente. As famílias receberam indenizações e casas para morar, mas, que de acordo com as famílias, não foram suficientes.
“As indenizações foram muito injustas. Meu pai tinha três casas, um terreno muito maior do que este que moramos. Na época, indenizaram oitocentos mil cruzeiros”, diz Paulo.
De acordo com a superintendente do arquivo público de Mato Grosso, Vanda da Silva, jornais da época preservados até hoje mostram como autoridades e moradores lidam com a situação.
“Nos jornais é possível a gente acompanhar o dia a dia da enchente, que teve uma proporção tão grande que trouxe o ministro do interior da época para a capital para tomar ações que o estado deveria encaminhar, como também podemos ver como os moradores estavam lidando com essa situação”, diz.
Jornal da época da enchente do Rio Cuiabá em 1974
Reprodução
Outras regiões prejudicadas
A situação de calamidade pública não foi apenas em Cuiabá. O caos também atingiu Várzea Grande, região metropolitana, e outros seis municípios ribeirinhos abastecidos pelo Rio Cuiabá.
Após a enchente e desapropriação, o cais na beira do Rio Cuiabá é o único lugar do Bairro Velho Terceiro que permanece até os dias de hoje e virou local símbolo do que foi um dia a comunidade que viveu na região.
Cais na beira do Rio Cuiabá em 1974
Reprodução
LEIA MAIS:
Cuiabá tem previsão de chuva durante toda a semana e máxima abaixo de 30°C
Imagens de drone mostram arara-canindé ‘praticando’ esporte radical com turistas; VÍDEO
A fim de contar a história da tragédia, o escritor Antônio Soares Gomes escreveu o livro “Águas de Março”, que relembra os desafios vividos pela população cuiabana.
“Muita gente só ouviu falar da enchente, mas não conhece as desgraças, os malefícios que essa enchente trouxe para a população que viveu lá naquela época, que não queria sair dali e que foi arrancada de lá, não podemos romantizar isso”, conclui.
✅ Clique aqui para seguir o canal do g1MT no WhatsApp
Adicionar aos favoritos o Link permanente.