• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Conjunto da Estação Júlio Prestes é tombado definitivamente pelo Iphan e passa a ter proteção contra destruição, demolição e mutilação


Tombado provisoriamente desde outubro de 2022, pedido oficial foi feito em 1997 pelo então secretário estadual de Cultura, Marcos Mendonça. Agora, estação não pode sofrer qualquer tipo de restauração ou modificação sem a prévia autorização do Iphan. Estação Júlio Prestes, em São Paulo
Reprodução/GESP
O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tombou definitivamente o conjunto da estação Júlio Prestes, no Centro da cidade de São Paulo, que faz parte da linha 8-Diamante da ViaMobilidade. O complexo engloba a gare (local de acesso aos trens), o prédio da estação e o prédio da administração.
Com isso, o espaço passa a ter proteção federal contra quaisquer tipos de destruição, demolição ou mutilação. A estação também não pode sofrer qualquer tipo de restauração ou modificação sem a prévia autorização do Iphan.
O tombamento foi decidido por unanimidade nesta quarta-feira (28), na 103ª reunião ordinária do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, após análise técnica dos conselheiros. O órgão informou que o tombamento da estação havia sido solicitado em 1997 pelo então secretário estadual de Cultura, Marcos Mendonça, mas o tombamento provisório foi concedido apenas em outubro de 2022.
“O Conjunto da Estação Júlio Prestes foi inscrito no Livro do Tombo de Belas Artes por ser uma construção monumental, exemplo máximo de uma determinada arquitetura do período. Também foi inscrito no Livro do Tombo Histórico, como a materialização de uma forma de pensar a questão econômica, com intervencionismo estatal, que fugia dos padrões do liberalismo clássico, o que era uma novidade na forma de pensar da década de 1920 no Brasil”, destacou o Iphan.
Nádia Somekh, professora emérita da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Mackenzie e responsável pelo parecer técnico sobre o tombamento do bem, apontou, em sua avaliação, um estudo realizado pelo Iphan que identifica a Estação Júlio Prestes como “bem cultural de alto valor, que tem sido mantido e atualizado de maneira atenta e cuidadosa, demonstrando de forma inequívoca a sustentabilidade de sua conservação”.
Importância da estação
A Estação Júlio Prestes abriga, desde 1999, a Sala São Paulo, sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) e do Coro da Osesp;
Foi um projeto de Christiano Stockler das Neves, de 1925, foi inaugurada em 1930;
O edifício é um dos mais significativos testemunhos das realizações da Companhia Estrada de Ferro Sorocabana, fundada em 1875 com o objetivo de ligar a região de Sorocaba a São Paulo;
A companhia contribuiu não apenas com o desenvolvimento ferroviário do estado de São Paulo, mas também ajudou a integrar os estados do Sul e da região Centro-Oeste;
Abriga a sede da Secretaria de Cultura de São Paulo.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.